quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Governador anuncia ampliação dos investimentos em Pernambuco

Foto: Luna Markman/G1)  
Após a primeira reunião do ano com o secretariado, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, deixou claro que a palavra de ordem será aumentar os investimentos no estado, acreditando na virada do cenário econômico mundial. Na noite desta terça-feira (15), Campos anunciou que os recursos subiram para R$ 3,5 bilhões, R$ 400 milhões a mais que o previsto inicialmente.

"Nós vamos ampliar em 17,7% os investimentos em Pernambuco, essa é a nossa contribuição para 2013. O incremento no investimento vem da reserva de contigência e de cortes nos custeios identificados, além que apostamos no crescimento da economia. O dinheiro a mais será proporcionalmente distribuído para todas as áreas. A palavra de ordem é aumentar os investimentos", disse.
 
De acordo com o secretário de Planejamento e Gestão, Frederico Amâncio, a utilização dos recursos são definidos pelo já implementado modelo de gestão Todos por Pernambuco. Ao todo, são 361 metas, com algumas destacadas como prioritárias e outras de custeio. "As prioritárias são, em sua maioria, grandes obras, como Suape e os corredores leste-oeste e norte-sul, além de adutoras, barragens, escolas técnicas, estradas", explicou o secretário.

As metas são acompanhadas  por um comitê de monitoramento, cujo calendário deste ano começará no dia 5 de março, com a primeira audiência com as secretarias estaduais. Ano passado, segundo o governo estadual, foram realizadas 36 reuniões.

"As decisões que tomamos hoje vinham sendo amadurecidas antes mesmo da conversa com a presidenta [Dilma, na segunda-feira passada, 14]. Vi dela uma clara visão de ânimo sobre 2013, também uma visão tranquila sobre a energia, não vamos passar constrangimentos de ficar sem energia. 

Um visão de que vamos ter crescimento econômico e disposição de diálogo com setores da economia que podem aumentar investimentos e sobre o pacto federativo", comentou o governador. A sucessão presidencial em 2014 não foi debatida na coletiva com a impresa.

Fonte: G1 Pernambuco