sábado, 23 de fevereiro de 2013

Governo não vai regulamentar MP dos Portos até 15 de março

Foto  Ivan Pacheco
   A paralisação de 30 mil trabalhadores portuários por todo o país surtiu o efeito esperado pela categoria. O governo brasileiro fechou na tarde de ontem acordo com os sindicatos para que até a conclusão dos trabalhos da mesa de diálogo entre o Governo Federal e Entidades não sejam licitados novos arrendamentos de terminais ou concessões portuárias, principal reivindicação dos grevistas. O acordo foi assinado pelo ministro-chefe da Secretaria dos Portos, José Leônidas Cristino.
Nesse período, os trabalhadores pretendem negociar alterações na Medida Provisória 595, que estabelece novo regulamento para a categoria. Em contrapartida, os sindicatos comprometeram-se a cancelar a paralisação prevista para a terça-feira e a não realizar novas greves até o fim destes trabalhos, previsto para até o dia 15 de março. Editada pelo governo no ano passado, a MP muda a regulamentação portuária e incentiva investimentos privados no setor, com o objetivo de reduzir o custo do frete no país. Mas, na visão dos sindicalistas, a MP fragiliza as relações trabalhistas.
36 portos
A manifestação ocorreu em 36 portos, em 12 estados. O porto de Santos, que responde por mais de um quarto das exportações e importações do Brasil, amanheceu com seus guindastes e esteiras carregadoras parados nesta sexta-feira, num dia de protesto de trabalhadores portuários contra as reformas propostas pelo governo para o setor. A manifestação de seis horas, que foi encerrada às 13 horas, como previsto, atingiu outros importantes portos do país, interrompendo as exportações de soja, milho, açúcar e outras mercadorias nos principais terminais brasileiros.
Fonte: Gazeta Online