segunda-feira, 1 de abril de 2013

Plano de Auxílio Mútuo de Suape realiza simulado de emergência em alto-mar

Foto: Pâmella Cavalcanti | Ascom Suape
Com cenário que simulava a queda de um tripulante a bordo de plataforma, o Plano de Auxílio Mútuo (PAM) do Porto de Suape realizou o primeiro simulado de emergência em alto-mar, no dia 14 de março. Coordenado pela empresa Van Oord, que executa as obras de dragagem do porto, o objetivo do treinamento foi testar a capacidade de cooperação das instituições que integram o PAM.

Determinado pela Norma de Segurança e Saúde do Trabalho Portuário (NR 29) e recentemente transformado em lei pelo decreto estadual 14.919/2013, o plano tem como intuito atuar cooperativamente e de forma organizada na prevenção, controle e atenuação de emergências ocorridas nas empresas ou em áreas comuns do porto.

Ele é constituído pelos empreendimentos instalados na área do porto organizado, pela Autoridade Portuária e OGMO. O PAM é liderado pela Diretoria de Engenharia e Meio Ambiente de Suape, através da coordenadoria executiva de controle ambiental.

“Suape não só coordena o plano de auxílio, como também realiza ações para incentivar a integração de todos os membros. É solicitada a adesão formal das empresas do porto organizado e mensalmente são realizadas reuniões no Centro Administrativo de Suape. Além disso, viabilizamos todo o sistema de comunicação. Hoje, todas as empresas possuem um rádio instalado, através do qual podem acionar a central do PAM, caso haja alguma ocorrência”, explicou o vice-presidente do Complexo de Suape, Caio Ramos.

Na simulação criada, a Van Oord, após perceber que a emergência ultrapassou sua capacidade de atuação, aciona o plano para solicitar auxílio das empresas localizadas em sua área (Tecon, OGMO, Bunge, Suata e Estaleiro Atlântico Sul). A vítima recebe os primeiros socorros ainda na plataforma e é transferida para um barco que a leva para o cais 05. Neste momento, a ambulância dos bombeiros já estava aguardando para encaminhá-la até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Cabo de Santo Agostinho.

Para a coordenadora técnica do PAM, Edneide Santos “foi muito importante a experiência em realizar o simulado no ambiente marítimo”. A realização cada vez mais frequente desse tipo de ação é fundamental para a consolidação do plano. “O porto tem atividades distintas e a gente precisa estar preparado para qualquer situação de emergência”, disse.

Fonte: SUAPE