quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Nova fase da Refinaria vai abrir novas vagas de emprego e alavancar lucros.



O setor de metalmecânica está em alta em Pernambuco por conta dos projetos estruturadores que chegam ao estado, a exemplo da Refinaria Abreu e Lima, que já emprega 40 mil pessoas na fase de construção. Quando o projeto estiver em operação, no primeiro semestre de 2015, o número de funcionários cairá para mil. Mas será dado início à fase de manutenção, que demandará novos funcionários. Pelos cálculos do setor, a cada trabalhador da Refinaria Abreu e Lima devem ser gerados três empregos na cadeia fornecedora.

A movimentação no mercado de trabalho não para por aí. A Refinaria Abreu e Lima foi desenhada de tal forma que, a cada três ou quatro anos, é necessária a paralisação de 50% do empreendimento por cerca de dois meses para manutenção. Nesse processo, há uma nova geração de empregos, que pode chegar a oito mil funcionários. Além disso, já existe um planejamento do material que precisará ser substituído, que deve ser encomendado com antecedência aos fornecedores locais.

“A refinaria funciona com um tempo útil de vida. Existe um prazo de fornecimento previsto, gerando lucros para as empresas”, explica o vice-presidente do Sindicato da Indústria Metalmecânica e Eletroeletrônica de Pernambuco (Simmepe), Alexandre Valença. Este será um dos temas abordados durante a conferência Pernambuco Petróleo Business, que acontece até sexta-feira dentro da Fimmepe – Feira Mecânica Nordeste, no Centro de Convenções de Olinda.

“A indústria metalmecânica e eletroeletrônica é um dos setores que mais tem crescido no Nordeste devido aos grandes projetos estruturadores que estão sendo implantados na região, como estaleiros, refinaria, siderúrgica, parques eólicos e montadoras de automóveis”, ressalta Valença.

A previsão é de que, neste ano, sejam gerados R$ 120 milhões em negócios durante a Fimmepe. É esperado um fluxo de 11 mil pessoas durante o evento. O número de marcas expositoras ultrapassou em 35% a expectativa dos organizadores. Durante a feira, também serão realizados 18 seminários, incluindo workshops de automação e instrumentação industrial, que são realizados pela Internacional Sociedade de Automação (ISA) – Seção Recife.

O Pernambuco Petróleo Business também contará com rodadas de negócios. Os encontros serão promovidos, hoje e amanhã, pela Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip). Como âncoras foram convidadas 18 empresas que possuem projetos estruturadores em Pernambuco como, por exemplo, a PetroquímicaSuape, os estaleiros Promar e Atlântico Sul e a Impsa.

A Onip ainda está recebendo inscrições de empresas fornecedoras, que terão encontros agendados com as âncoras. Na última edição, foram gerados R$ 900 milhões em negócios, com a participação de 200 empresas fornecedoras.


Fonte: Diário de Pernambuco