segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Petrobras inicia obras para ampliar capacidade de operação de navios em Suape.


Dentro de três meses, o Porto de Suape reduzirá em 30% o tempo médio de operação dos navios com cargas de derivados de petróleo. A medida será possível devido a troca de defensas (proteções em borrachas para evitar o impacto do navio contra o cais), a ampliação do quantitativo de “braços”(conectores) de dutovias e na troca desses dutos no Píer de Granéis Líquidos 2 (PGL 2). Os serviços começaram ontem e são necessárias para a operação da Refinaria Abreu e Lima, em construção no Complexo Industrial Portuário de Suape.
As obras estão orçadas em R$ 670 milhões e serão realizados por uma empresa contratada pela Petrobras. Também está no pacote a colocação de todos os dutos necessários para atender a Refinaria. O cronograma de obra será intenso. Até a próxima quinta-feira haverá a ampliação de quatro para 12 no número de braços das dutovias destinadas aos navios no píer.
Para acontecer a troca das defensas e a colocação de mais braços, o porto ficará com o PGL 2 parado por sete dias. As atividades serão transferidas para o PGL 1. Outro serviço agendado para os próximos dias será para que o PGL 1 do ancoradouro receba dois navios de até 200 metros simultaneamente. A obra começará após a retomada da operação do PGL 2. Neste caso, será realizada a duplicação do cabeço de amarração da ponta do píer. O serviço deve durar cinco semanas. A empresa responsável por essas atividades foi contratada pelo Porto de Suape e está orçada em R$ 40 mil.
A previsão é de que a obra da Refinaria Abreu e Lima seja concluída no final deste ano. Os derivados de petróleo mais movimentados no porto são gasolina, diesel, querosene de avião, GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) e óleo combustível, este último responsável pelo abastecimento das termelétricas do Complexo.
Fonte: Diário de PE